Pinhalzinho

23º

15º

Maravilha

21º

16º

São Miguel do Oeste

21º

16º

Chapecó

22º

16º

Twitter planeja acabar com limite de 140 caracteres em tuítes

O Twitter está oficialmente estudando romper o limite de 140 caracteres, sua marca registrada desde a criação do microblog, em 2006. A mudança pode ocorrer na própria estrutura da plataforma ou através de um novo produto integrado a ela, que adicionaria uma forma nativa de postar mensagens grandes sem a necessidade de serviços externos.

Para o Twitter, aumentar o tamanho máximo das mensagens pode fazer com que outras pessoas se interessem mais pelo serviço, o que, por sua vez, faria com que o número máximo de usuários crescesse.

Twitter planeja expandir limite de 140 caracteres com novo produto (Foto: Divulgação/Twitter)
Antes de aumentar as mensagens, o Twitter também analisa outras formas de burlar seu próprio limite. Uma das propostas faria com que links, nomes de usuários e hashtags não sejam contados nos 140 caracteres, aumentando o espaço útil do texto.

Se a novidade for liberada, não será a primeira vez que o Twitter muda seu limite. Em agosto, a rede socialaumentou o tamanho máximo de mensagens diretas (DMs) e em abril mudou a forma como são feitos os retuítes, sem ocupar espaço em mensagens.

Ainda não se sabe como o microblog vai alterar o limite de caracteres. Jack Dorsey, CEO e um dos fundadores do Twitter, tem apoiado a medida e, de acordo com um funcionário da rede social, a discussão ocorre há anos na empresa.
"As pessoas do Twitter sabem o que ele [Twitter] pode ser e o quanto ele evoluiu e ter o [CEO] Jack dizendo que está tudo bem [em querer mudar] faz toda a diferença do mundo", afirmou um funcionário.

Em julho, o CEO já havia confirmado que o Twitter precisa de melhorias. "Sabemos o que temos que corrigir. Sabemos o quanto precisamos melhorar e estamos fazendo isso", disse Dorsey.

O microblog

O Twitter surgiu em 2006 como uma forma de usar mensagens de celular, que também possuíam limites de caracteres. Na época, ter Internet nos telefones não era comum e o aplicativo servia como uma alternativa simples para publicar conteúdo.

Com a evolução das tecnologias e a criação de smartphones com mais recursos, outros serviços – como o Facebook – também criaram versões para dispositivos móveis que permitem mensagens longas, passando a competir mais diretamente com o Twitter.

 

Fonte:TechTudo