Pinhalzinho

21º

16º

Maravilha

19º

17º

São Miguel do Oeste

19º

17º

Chapecó

18º

15º

Como ser criativo

Olá leitores!
A coluna desta edição foge um pouco do propósito deste espaço que é de falar sobre tecnologia. Hoje falaremos um pouco sobre Criatividade, que está presente em todas as áreas de atuação profissional e é algo que aprendemos desde pequenos, mas muitas vezes deixamos de lado e ficamos preso ao paradigma de que não somos criativos!
Para falar um pouco sobre Criatividade, atendeu ao meu convite para participar desta coluna, o Douglas Salvador, 26 anos, Especialista em Administração em Banco de Dados e BI pela Unoesc, com formação em Gestão da Inovação no Sebrae-SC, Neuro-Coaching, Creative Thinking, e MOOC Canvas (Metodologia de Modelagem de Negócios) também pela Unoesc.

Ana - Como surgiu a ideia da palestra de criatividade?
Douglas - Os cursos e palestras sobre criatividade surgiram de uma necessidade própria onde eu estava buscando melhorar minhas competências pessoais, porém sempre chegava aos mesmos resultados e isso me gerou muita angústia. Através desse incômodo comecei a estudar e me aprofundar no assunto e logo percebi os resultados. Acreditando que esse problema não era somente meu comecei a compartilhar o meu conhecimento e experiência através de cursos e palestras.

 


Ana - Quando você começou a palestrar sobre criatividade?
Douglas - Em setembro de 2014 teve uma convenção de revendas da empresa que trabalho, nesta convenção eu e mais dois colegas tivemos a missão de abordar um determinado assunto de forma diferente e criativa. Então resolvemos fazer uma esquete (cena rápida de humor) similar ao que temos hoje do canal “Porta dos Fundos”, utilizamos muito humor e técnicas de stand-up para engajar o público, e o resultado foi ótimo. Foi nesse dia que me dei conta do potencial que o uso da criatividade tem na entrega de conteúdo.

 


Ana - Onde você costuma realizar essas palestras?
Douglas – Costumo realizar as palestras em universidades de Pinhalzinho e Chapecó, ministrei um curso de “Reaprendizagem criativa” em parceria com a ACIP. Tenho uma nova turma com inscrições abertas.

 


Ana - Qual a definição de Criatividade?
Douglas - Criatividade é na verdade uma ferramenta para resolver problemas, se você tem problemas precisa ser criativo para resolvê-los. Você até pode resolver os seus problemas sem criatividade porém seus resultados serão os mesmo, serão resultados padrões iguais. Criatividade também é combinar coisas. A palavra cria-tividade vem com um peso onde se tem ideia que é necessário criar algo para ser criativo, quando na verdade pode-se dizer que somente existiu um criador (Ou Deus ou Big-Bang), depois disso, tudo foi combinado. Basta olhar a sua volta e me diga algo que não foi produto da combinação de um ou mais ingredientes ou produtos, nós somos produto da combinatividade de nosso pai e nossa mãe.

 


Ana - Como podemos abrir a mente e se tornar mais criativo?
Douglas - Em meu curso de criatividade primeiro mostro como entramos na “caixa”, no sentido do porquê e como ficamos não-criativos para somente depois mostrar ferramentas e recursos que nos fazer produzir conteúdo, ideias e soluções criativas para nossos problemas. Em resumo é necessário se permitir experimentar o novo em nosso dia-a-dia para agregar valor ao nosso repertório e posteriormente combinar o que foi aprendido com nossa arte.

 


Ana - Sobre criatividade, geralmente as pessoas costumam pensar que ser criativo é um dom que poucos tem, você concorda ou discorda?
Douglas - Discordo completamente, criatividade não é dom, não é para artistas e não vem do nada. A História da palavra “Eureka” ajuda a entender esse mito da criatividade. Eureka foi o que Arquimedes, um importante matemático e inventor grego, disse ao descobrir sentado em sua banheira que uma coroa dada ao rei Hierão não era 100% de ouro. Porém não foi por acaso que isso aconteceu, Arquimedes havia por meses estudado toda a estrutura da coroa e testado de várias formas as propriedades que ela possuía, isto é, sua mente estava sempre conectada ao problema e em um momento de insight descobriu, colocando a coroa na água, que não possuía 100% ouro.

 


Ana - Com que idade geralmente as pessoas atingem o auge da criatividade? Existe uma idade auge onde as pessoas são mais criativas?
Douglas -Não existe idade para saber se somos mais ou menos criativos, o que existe é em que idade você se desbloqueou de paradigmas que te impedem de ser criativo.

 


Ana - As crianças são altamente criativas sem ao menos saber o que é a definição de criatividade, em que momento do nosso desenvolvimento perdemos essa percepção de criatividade?
Douglas -Tem-se a noção de que as crianças são criativas, na verdade elas são muito imaginativas, o que é um pouco diferente. Nos surpreendemos com a imaginação das crianças porque elas ainda não foram bloqueadas, no caso ainda não entraram na caixa. A pessoa criativa é aquela que possui um repertório vasto e com isso consegue resolver problemas. As crianças ainda não tem nenhum repertório por isso a facilidade de somente imaginar coisas.

 


Ana - Nos dias atuais o que retarda nossa criatividade?
Douglas - Vivemos hoje cercados de vários modelos mentais, os quais foram instalados em nossa mente sem nossa prévia autorização. Muitos desses modelos foram nossos pais que instalaram sem qualquer tipo de má intenção, geralmente os pais transferem para nós suas crenças que também foram passadas por seus pais e assim sucessivamente. Outro modelo mental que nos bloqueia é a escola, a escola é a mesma de 150 anos atrás. Costumo brincar que se colocar um médico de 150 anos atrás em uma sala de cirurgia ele vai ficar completamente perdido tentando encontrar o serrote para cortar o paciente e o whisky para anestesia, agora se colocar um professor de 150 anos atrás em uma sala de aula ele vai se sentir perfeitamente a vontade pois a escola não mudou nada.

 


Ana - Você utiliza o método Brainstorming em suas palestras?
Douglas - Brainstorming é umas das muitas técnicas para geração de ideias. É importante dizer que a técnica por si só não resolve muita coisa, é necessário antes uma reaprendizagem criativa para entender o porque de tal técnica e como é melhor utilizá-la. Poucos sabem, mas brainstorm para ser executado de forma correta tem algumas premissas. Alex Osborn, criador do brainstorm, costuma falar que “quando for a hora de criar criar, e hora de julgar julgar “ e isso deve acontecer exatamente nessa ordem, o que geralmente acontece é que quando alguém dá uma ideia aparece um monte de críticas em relação a mesma sem ao menos concluir a etapa de criação de ideias, para que somente em um segundo momento quando esgotar as ideias começar a fazer filtros com as melhores.
As inscrições para segunda turma do Curso de “Reaprendizagem Criativa” estão abertas:

http://goo.gl/forms/5evaHG7yzz
Facebook: facebook.com.br/douglassalvadoreduca