Pinhalzinho

23º

12º

Maravilha

23º

12º

São Miguel do Oeste

23º

12º

Chapecó

22º

“Machuca”

Nos anos 60 e 70, a tensão tomava conta de países da América Latina. É o que mostra “Machuca”, um filme político e ao mesmo tempo dramático.

Os protagonistas do filme representam o caos vivido no país em 1973. Gonzalo (Matias Quer) é quem narra o filme. Ele é um menino ruivo com traços europeus, de família de classe média chilena, que estuda no Colégio Saint Patrick, uma escola cristã dirigida pelo Padre McEnroe (Ernesto Malbran).

Na época, o então presidente do Chile Salvador Allende tentava instaurar o socialismo. Assim, escolas como a de Gonzalo buscavam se adaptar ao modelo socialista, incluindo crianças de comunidades carentes. Pedro Machuca (Ariel Mateluna) é um dos meninos que consegue “vaga”. Ele é descendente de nativos e mora em uma comunidade ilegal num canto de Santiago.

Machuca, de apenas 11 anos, ajuda o tio a vender cigarros e banderinhas nas passeatas políticas. Preocupado mais com o dinheiro do fim do dia do que com o futuro do país, o tio participava de qualquer passeata na qual pudesse lucrar.

A chegada de Machuca e dos outros meninos à escola é vista por algumas famílias burguesas como um absurdo comunista, o que motiva o preconceito e discriminação, mas representa uma mudança na vida de garotos como Gonzalo.

Em meio a uma briga na escola, Gonzalo e Machuca se aproximam e se tornam amigos. Essa amizade é o tema principal do filme, que mostra realidades completamente diferentes. Junto com Gonzalo, descobrimos o mundo das favelas em que vivia Machuca, repleta de barracos, esgoto a céu aberto e muita miséria. Ao lado de Machuca, somos apresentados à extravagância dos bairros ricos, dos aparelhos de TV, da bicicleta, dos tênis Adidas importados, dos gibis do Zorro...

Logo se intensificam os conflitos e ocorre o golpe que derrubou o governo de Allende para a ditadura militar de Augusto Pinochet, que durou quase duas décadas.

Ao usar as crianças como protagonistas, o diretor Andrés Woods mostra o lado da inocência, da incompreensão. As crianças não têm partido e posição, mas sentem e veem as injustiças, afinal, os mais “pequenos” é que sofrem mais.

Atualmente, a “tensão” volta a tomar conta do país chileno e também do Brasil, mas é por uma boa causa: sábado, dia 27, acontecerá o jogo entre Brasil e Chile pelas oitavas de final da Copa do Mundo. E assim, esquecemos, mesmo que por alguns dias, dos problemas que nos cercam. E por que não?

 

Play! Ótimo filme!