Pinhalzinho

30º

15º

Maravilha

27º

14º

São Miguel do Oeste

27º

14º

Chapecó

30º

14º

A vida é bela

Medo: “1 Perturbação resultante da ideia de um perigo real ou aparente ou da presença de alguma coisa estranha ou perigosa; pavor, susto, terror. 2 Apreensão. 3 Receio de ofender, de causar algum mal, de ser desagradável.”

O medo é sentimento comum em filmes de terror e, infelizmente, está se tornando sentimento comum da vida real. Medo é o que mulheres e também homens sentem ao saber do horror ocorrido no último final de semana com uma jovem que, assim como eu, sonhava em ser publicitária.

No filme da semana, intitulado “A Vida é Bela”, acompanhamos o medo vivido por milhares de pessoas durante a Segunda Guerra Mundial. Roberto Benigni é o diretor e protagonista. No filme, ele interpreta Guido, um judeu simpático que se muda para a pequena cidade de Arezzo, na Toscânia (Itália). Lá ele conhece Dora (Nicoletta Braschi), uma não-judia, com quem se casa. Tempos depois, surge Giosué (Giorgio Cantarini), um ingênuo e divertido menino.

Em meio à felicidade do dia a dia, a família conhece o horror de uma guerra, quando são levados a um campo de concentração. A repreensão nazista aumenta a cada dia, à medida que Guido e Dora são forçados a se separar. Giosué, por sua vez, sem entender o que está acontecendo, fica com Guido.

A partir daí, é Guido quem luta – física e mentalmente – para sobreviver, reencontrar a esposa e salvar o filho. E o mais importante de tudo: Para manter o filho a salvo, Guido o convence de que tudo aquilo é uma gincana, cujo primeiro prêmio é um tanque de guerra, e por isso o menino precisa permanecer escondido e calado, seguindo as “regras do jogo”.

Nessa comédia dramática, percebemos a capacidade de destruição e rejeição dos homens, tal qual verificamos nos dias atuais. Mas, como dizia Ayrton Senna: “O medo faz parte da vida da gente. Algumas pessoas não sabem como enfrentá-lo, outras - acho que estou entre elas - aprendem a conviver com ele e o encaram não como uma coisa negativa, mas como um sentimento de autopreservação”. Que a dor e o medo nos tornem mais fortes.

 

Play! Ótimo filme!