Pinhalzinho

23º

14º

Maravilha

22º

13º

São Miguel do Oeste

22º

13º

Chapecó

23º

13º

Quatro mitos sobre a diferença entre homens e mulheres

Embora os mecanismos fundamentais do cérebro funcionem da mesma forma para homens e mulheres, novas evidências mostram que cérebros masculinos e femininos podem ter sido constituído a partir de modelos genéticos diferentes. Há, também, consenso entre cientistas de que áreas cerebrais específicas possuem diferenças anatômicas de acordo com o gênero, como a amígdala, o hipocampo e partes do lobo frontal.

Algumas das diferenças entre os sexos mais difundidas pelo senso comum, porém, não são reais:

Mulheres têm mais dificuldade de localização
Não necessariamente. Dê a um homem um mapa e ele provavelmente conseguirá se localizar. Já para a maioria das mulheres, o mapa mostrará um emaranhado de ruas e causará boa dose de angústia, mas isso não significa que as garotas não sejam capazes de chegar ao mesmo destino, só que recorrerão a recursos diferentes. O hipocampo feminino as fará tomar como base “pistas físicas”, como a padaria, a agência de correios na esquina ou o restaurante chinês.

Homens são emocionalmente desligados
Certo, ele pode não se lembrar do vinho que bebeu no primeiro encontro ou até da data de aniversário de namoro – mas isso não significa que ele seja insensível. As mulheres são simplesmente melhores em lembrar os detalhes que cercam os eventos emocionais porque sua amígdala está sintonizada para capturá-los.

Meninas são mais tagarelas
O senso comum prega que mulheres pronunciam quase três vezes mais palavras que os homens. Algumas talvez, mas o que de fato se sabe é que pessoas de ambos os sexos dizem, em média, 16 mil palavras por dia.

Estrogênio é o hormônio feminino
Embora seja verdade que os machos secretam principalmente a testosterona dos testículos, o estrogênio – conhecido como hormônio feminino –, também é fundamental para o desenvolvimento do cérebro masculino no útero. No sistema cerebral do homem, a testosterona é convertida em estradiol, substância que atua sobre os receptores de estrogênio e define o hipotálamo “macho”.

FONTE: MENTE & CÉREBRO