Pinhalzinho

27º

17º

Maravilha

27º

18º

São Miguel do Oeste

27º

18º

Chapecó

27º

17º

Passos do despertar da consciência humana

Olá amigos(as)...nesta semana apenas uma breve reflexão sobre os passos do despertar da consciência humana. Logo abaixo um texto, extraído de “O Livro Tibetano do Viver e do Morrer”, de Sogyal Rinpoche (Mestre Budista), explica isso de uma forma fácil para entendimento.

 

1 - Ando pela rua.

Há um buraco fundo na calçada.

Eu caio...

Estou perdido... Sem esperança.

Não é culpa minha.

Leva uma eternidade para encontrar a saída.

 

2 - Ando pela mesma rua.

Há um buraco fundo na calçada.

Mas finjo não vê-lo.

Caio nele de novo.

Não posso acreditar que estou no mesmo lugar.

Mas não é culpa minha.

Ainda assim leva um tempão para sair.

 

3 - Ando pela mesma rua.

Há um buraco fundo na calçada.

Vejo que ele ali está.

Ainda assim caio... É um hábito.

Meus olhos se abrem.

Sei onde estou.

É minha culpa.

Saio imediatamente.

 

4 - Ando pela mesma rua.

Há um buraco fundo na calçada.

Dou a volta.

 

5 - Ando por outra rua.

 

Os cinco versos do texto acima se resumem nesta sequência dentro da nossa mente: Ignorância-Inconsciência-Ego-Consciência-Atitude.

 

1 – Neste verso o indivíduo está completamente ignorante, em consciência, de tudo aquilo que é, primeiramente, e das coisas que o acometem. A perdição é a moeda. A transferência de culpa para terceiros é a saída mais confortável. Achar uma resposta é um trabalho de Hércules.

 

2 – Aqui ele sabe que existe um problema, não é mais ignorante. No entanto, é ainda inconsciente, pois não crê que pode fazer algo a respeito. Acredita estar bem e não sabe direito porque as coisas acontecem, mas sabe que acontecem. Ainda terceiriza a culpa. Viver ainda cansa.

 

3 – Neste verso já se vê uma evolução significativa. No entanto é o momento que a consciência sofre os ataques do Ego, nosso EU inferior que acredita estar no comando e saber de tudo, mesmo não sabendo a verdade REAL das coisas. A vitória é não mais terceirizar a culpa. Viver já se torna bem melhor.

 

4 – Aqui é onde a consciência pura já opera livre, resolvendo rapidamente os desafios que se impõe.

 

5 – Este verso define, além da consciência pura sobre as coisas, a tomada de decisão baseada numa acumulação de experiências que geram conteúdo, matéria prima das ações assertivas.