Pinhalzinho

32º

18º

Maravilha

31º

19º

São Miguel do Oeste

31º

19º

Chapecó

31º

18º

O dinheiro que muda o seu pensamento

Olá amigos(as)...nesta semana uma conversa sobre como os gastos em publicidade são usados para comprar o pensamento do povo.

 

O dinheiro que muda o seu pensamento

Michel Temer, desde que assumiu o governo, tratou de aumentar as verbas publicitárias para a grande mídia em cerca de 50% comparado ao mesmo período de 2015. Essas empresas são: as Organizações Globo, as editoras Abril e Caras, os grupos Folha/UOL, Estadão e Band. De outro lado cortou os gastos com os pequenos veículos/alternativos que antes recebiam do governo Dilma.

 

Mas isso não é um modus operandi apenas deste governo. Todos os governos sucessores tendem a gastar mais que o antecessor em publicidade. Parte para garantir que seu projeto de governo seja absorvido pela população parte para descontruir a ideologia do governo anterior, caso tratar-se de um opositor. Lula gastou muito mais em publicidade do que Fernando Henrique Cardoso, por exemplo.

 

Aqui no Brasil a esquerda política, quando governo, pulverizou os gastos com publicidade para diversos meios de comunicação: sites, blogs, jornais, TV’s, revistas...mas a maior fatia ainda continuou vertendo para os grandes grupos, para amenizar a pressão (mas pelo que se viu nos últimos anos  foi insuficiente). Já a direita política sempre investiu maciçamente nos grandes grupos de comunicação e não nos pequenos veículos ou nas mídias alternativas, que eles julgam ser o “lar” dos “comunas”. Não precisa acreditar em mim, é só pesquisar os relatórios de gastos da Secretaria Nacional de Comunicação – Secom, que desde o ano 2000 possui relatório completo dos gastos em publicidade do governo (antes era menos completo).

 

Fato é que nós cidadãos brasileiros dependemos da imprensa em geral, grande ou pequena, para nos informarmos sobre o que acontece em todas as esferas da administração nacional. Para isso é importante conhecer a história política de nosso país, do contrário, engoliremos qualquer besteira. Não só a história política que está nos livros, mas aquela que é escrita em cada decisão tomada pelos políticos que reflete mudanças nos rumos da nação.

 

É preciso ter muito cuidado com a internet também. Apesar de parecer um território livre, é, muitas vezes, usada para replicar notícias criadas para um fim específico. Além de ser um palco de boataria e informações sem fontes confiáveis. Não sejamos “papagaios de pirata”. Nunca compartilhe uma informação sem o mínimo de pesquisa sobre a veracidade daquilo, ou se ela é tendenciosa.

 

A imprensa, em geral, reproduz os parâmetros mais comuns da cultura política do País porque essa é sua matéria-prima. Como a visão ingênua, moralista e preconceituosa é predominante na política, a imprensa acaba por repercuti-la e, em busca da audiência, tem a tendência de transformar tudo em espetáculo. Além da simplificação dos fatos que facilita a reprodução de uma visão simplista das coisas, a tal divisão entre bem e mal que vemos hoje.

 

Hoje nosso país está dividido em “coxinhas” (direitistas) e “mortadelas” (esquerdistas). Que desgraça ser rebaixado a esse ponto. Ao invés de lutar por um país melhor, cada grupo fica contra o outro, abafando a força que poderia mudar o país realmente. Jogam-nos uns contra os outros para esquecermos quem são os verdadeiros vilões. E nós caímos...