Pinhalzinho

25º

19º

Maravilha

23º

18º

São Miguel do Oeste

23º

18º

Chapecó

25º

19º

O Bem Absoluto, o Bem Relativo e a Maldade

Olá amigos(as)...Vamos viajar um pouco nesta semana. Um pouco de passado, presente e futuro.

 

O Bem Absoluto, o Bem Relativo e a Maldade

Cansado de falar em crise e política, decidi debater com vocês sobre como a condição humana se desviou para o caminho da fantasia. Fantasia de vida que gera um inevitável problema de autoconhecimento, criando instabilidade emocional. Este desequilíbrio reflete uma atitude de ataque e defesa.

 

Relendo alguns textos antigos, pesquei algumas informações que, talvez, possam ajudar nestes tempos ásperos que ainda virão. É bem sabido, principalmente nas religiões mais antigas e nas crenças do oriente, que a humanidade já deveria, há muito tempo, ter vencido os aspectos do ódio. No entanto, persistimos no erro de acreditar que faremos alguma diferença se tomarmos partido na política, religião, ciência e da própria vida. Não seria se não fossemos ignorantes nesta tarefa. Cremos que algo é bom ou ruim, mas não temos fé que aquilo que acreditamos é, de fato, verdadeiro.

 

Todos nós somos um poço, muitas vezes sem fundo, de dúvidas e incertezas. Enganamo-nos achando que a verdade precisa ser revelada de forma espetaculosa. Aguardamos, por uma vida até, que aconteça algo grande, majestoso. Seria correto se essa expectativa não fosse criada em cima do que a nossa mente humana, carnal, pensa ser. A verdade se manifesta a todo instante, só que perdemos a capacidade de entendê-la.

 

Quem entre nós tem a absoluta capacidade de discernir entre o bem e o mal? Ninguém. Por isso deixamos de lado a busca pelo autoconhecimento profundo, que nos revelaria os caminhos para aprender a conhecer o Bem Absoluto, e optamos pela facilidade do Bem Relativo.

 

Um exemplo bem prático: imagine que um pai, médico, seja dono de um hospital privado. Na sua consciência mundana, acredita que o melhor para seu herdeiro é que ele se torne um médico também, pois só assim terá condições de cuidar do seu legado (herança). Mas pode ocorrer que este filho tenha um desejo altamente sincero e profundo de que somente será feliz sendo músico.

 

Nesta estória o sonho do pai para o filho é um Bem Relativo. É relativo à ilusão humana do pai, ignorante a vontade superior e sincera que o filho manifesta. É contra a natureza. Por isso faz mal. Se o pai dedicasse um tempo para entender o filho, suas vontades. Pedisse iluminação para tomar uma decisão que não ceife o trigo bom? Quanta diferença!

 

Já o exagero desse exemplo é o que se considera Maldade. Fazer valer a vontade individual, controladora, sobre todos aqueles possíveis. Infelizmente este é o modelo de vida em que a humanidade está envolvida atualmente, que vai se agravar.

 

Usando como exemplo os últimos fatos políticos aqui em nosso país, é de se esperar que essa cultura do ódio se perpetue por um bom tempo ainda. Numa sociedade de competição, quem perde tem a tendência de guardar rancor e vingar sua “honra” ferida. Já quem ganha costuma tripudiar e impor sua metodologia. Ainda veremos muita coisa inédita em terras brasileiras. Até semana que vem!