Pinhalzinho

21º

16º

Maravilha

19º

17º

São Miguel do Oeste

19º

17º

Chapecó

18º

15º

Não somos programados para dizer a verdade, aponta estud

Fomos feitos para dizer a verdade? Não quando a mentira é vantajosa, afirma o neurocientista Ming Hsu, da Universidade da Califórnia em Berkeley. Segundo ele, precisamos nos esforçar para permanecer honestos quando há chances de nos beneficiarmos à custa dos outros.

Para testar sua hipótese, Hsu e sua equipe selecionaram três grupos de voluntários: o primeiro com danos no córtex pré-frontal dorsolateral (região associada ao controle dos impulsos), o segundo com lesões em outras áreas cerebrais e o último sem problemas de saúde (grupo de controle). Então, participaram de dois jogos que envolviam tomar decisões financeiras (ganhar e doar dinheiro), mas somente um se relacionava com a honestidade.

No primeiro, tinham de escolher entre pegar US$ 10 e entregar US$ 5 ou o contrário. O outro era idêntico, exceto que, em vez de optar diretamente, o participante tinha de mandar uma mensagem (verdadeira ou não) para o destinatário dizendo a melhor alternativa. Então, do lado de lá, a pessoa escolheria entre as duas opções. O que estava em questão era o envio de uma informação mentirosa para o ganho pessoal.

Resultado: não houve diferença entre os voluntários no primeiro jogo. Já no segundo, que envolvia a honestidade, os pacientes com lesão no córtex pré-frontal dorsolateral estavam mais dispostos a enganar do que o restante para proveito próprio. “Os dados apontam uma relação causal entre essa região cerebral e o comportamento honesto”, argumenta Hsu.