Pinhalzinho

24º

11º

Maravilha

23º

11º

São Miguel do Oeste

23º

11º

Chapecó

23º

10º

Desemprego causa depressão - De volta ao lar - Fobia financeira

Olá amigos(as).

 

Desemprego causa depressão

Um em cada dez brasileiros com 18 anos ou mais – que estavam fora do mercado de trabalho – sofriam de algum tipo de depressão. Essa foi a constatação do IBGE. Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional de Saúde 2015: Indicadores de Saúde e Mercado de Trabalho. Em relação ao sexo, as mulheres apresentaram percentual de prevalências de diagnóstico de depressão mais elevado: 10,1%. Esse é o retrato do sistema que rege o nosso modelo de vida: quem não dá lucro sente-se dispensável/inútil, abrindo as portas para que o mal tome conta de seu íntimo. Por outro lado, quem está empregado está sempre com a sensação de “corda no pescoço”, também propenso a sofrer dessa doença.

 

De volta ao lar

Racional, consumidor brasileiro vive movimento de "volta ao lar". Pesquisa mostra que ele está fazendo tudo em casa: a refeição, a limpeza e até pintando o próprio cabelo.  Mas também mostra o nosso lado nefasto sobre como vemos as relações de trabalho. A pesquisa da Kantar Worldpane mostra um comportamento seletivo no consumo de produtos de limpeza.

 

Para as famílias que optaram pelo corte do serviço de empregada doméstica, com essa tarefa sendo desempenhada pela dona da casa, o gasto com produtos de limpeza cresceu 32,4% em valor e houve um avanço de itens com mais tecnologia, como sabão líquido para roupas, alvejante sem cloro, entre outros. Já aquelas famílias que decidiram manter a empregada doméstica reduziram os desembolsos com produtos de limpeza em 2,6%. Neste caso, cresce a relevância de produtos básicos, como sabão em pó, sabão em pedra e água sanitária. Aqui fica claro como nos comportamos nas relações sociais de trabalho. Melhores produtos para otimização do serviço para as patroas e os piores para as empregadas. É a nossa forma de escravidão moderna.

 

Fobia financeira

Não suporta nem olhar para as contas? Pode ser fobia financeira. A fatura do cartão está na caixa de correio, mas dá um arrepio só de pensar em abrir? Em tempos de crise e de encolhimento da renda de consumidores e empreendedores, essa sensação pode parecer comum e até compartilhada por muitas pessoas. Mas longe de ser inofensivo, o ato de ignorar o extrato bancário e as contas a pagar se torna perigoso se ocorrer repetidamente. A fobia financeira foi tema de pesquisa, que incluiu o Brasil. Detectaram que ela acometia mais as mulheres do que os homens e uma a cada cinco pessoas no mundo. Para 65% dos entrevistados, o maior medo era não ter dinheiro para se sustentar no futuro.

 

Dois eventos que podem acender a luz de alerta são: Você sente-se ansioso e apreensivo ao lidar com dinheiro? Não consegue conversar sobre dinheiro sem ficar nervoso e estressado? A fobia é diferente de medo. Afeta fortemente o ego, trazendo a sensação de que a pessoa vai se desintegrar toda vez que abrir alguma fatura. A fobia paralisa, é o sentimento de que não vai dar conta do recado. O problema pode se agravar devido ao fato de que o brasileiro é muito reservado em relação ao seu dinheiro, perdendo a oportunidade de conversar com alguém sobre o assunto e obter uma luz.