Pinhalzinho

30º

17º

Maravilha

28º

17º

São Miguel do Oeste

28º

17º

Chapecó

29º

16º

Raquel Cristina Kochhann é destaque no Rugby e pode ser a primeira Pinhalense a disputar uma Olímpiada

Raquel Cristina Kochhann é filha de Guido Kochhann e Vera Dewes Kochhann. Natural de Saudades, criada na Linha Riqueza município de Pinhalzinho, e ali começa a história esportiva de Raquel. No campo da comunidade da Linha Riqueza, quando o Esporte Clube 25 de Dezembro jogava, lá estava Raquel e seu irmão Rafael, trabalhando como gandulas, o prêmio era um refrigerante, que ganhavam após os jogos. O pai Guido atuava como lateral esquerdo naquela equipe que foi destaque no futebol de Pinhalzinho nos anos 90 e inicio dos anos 2000. Raquel por adorar brincar com bola vinha treinar futsal em Pinhalzinho duas vezes por semana montada em uma bicicleta e acompanhada do irmão Rafael. O primeiro professor de futsal foi Israel Betemps (Mita), depois passou a treinar com o professor Nê e por último com o Cleto Schuster. Depois dos treinos, quando chegava em casa ainda tinha que ir para a roça ajudar os pais. Na escola ela praticou vários esportes, atletismo, tênis de mesa, voleibol, basquete e futsal entre outros. Raquel era um dos destaques da equipe de futsal de Pinhalzinho, participou de várias competições representando o município. Com 15 anos foi tentar a sorte no futebol de campo no Esporte Clube Juventude de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. Ela jogou em 2008 e 2009 quando conquistou o seu primeiro título gaúcho, depois a equipe de Caxias fechou as portas para o futebol feminino. Em 2010 ela foi jogar futebol na equipe da cidade de Torres, onde conquistou o bicampeonato, e em 2011 jogou pela equipe de Flores da Cunha, onde foi tricampeã gaúcha.  Raquel continuou em Caxias do Sul cursando a faculdade de Educação Física na Universidade de Caxias do Sul. Foi nesse período que ela conheceu o esporte que mudou a sua história, o Rugby foi paixão ao primeiro treino. Raquel começou jogando no Serra Rugby Clube de Caxias, ela desconhecia as regras do Rugby, mas logo nos primeiros jogos começou a se destacar e chamou atenção pelo estilo de jogo e pela força, logo foi premiada como destaque numas das etapas na sua primeira competição. Depois ela foi para o Charrua Rugby Clube de Poá, e participou do primeiro campeonato internacional de sua breve carreira. Foi no Uruguai disputar o torneio Valentín Martínez onde conquistou dois títulos em 2014 e 2015. Raquel teve uma breve passagem pelo Panteras Rugby Club e voltou para o Charrua onde atua até hoje.

      Em 2012 ela foi aconselhada a fazer uma seletiva para Seleção Brasileira, (para ir a São José dos Campos, São Paulo fazer a seletiva, Raquel contou com a colaboração das amigas, que fizeram até uma vaquinha para ela suprir as suas despesas), foi aprovada nos testes e começou a fazer parte do grupo centralizado da Seleção Brasileira que treina em São Paulo. O grupo vem treinando forte com o foco nas Olimpíadas do Rio de Janeiro 2016. Ela vestiu pela primeira vez a camisa da Seleção em uma competição oficial, foi em 2013, quando jogou o Universiade em Kazan, na Russia.  A Pinhalense já tem um currículo invejável, as suas principais conquistas são: Ouro nos Jogos Sul-americanos de Santiago 2014, Campeã Brasileira (2014), Vice-campeã do Circuito Nacional Super Sevens (2014 e 2015), Bicampeã gaúcha (2013 e 2014), Bicampeã do torneio Valentín Martínez (2014 e 2015), 3ª colocação no Mundial Universitário (2014) e Medalha de Bronze nos Jogos Panamericanos Toronto (2015), Jogadora revelação em 2013, Melhor jogadora em 2014 e destaque da Final da última etapa do Super Sevens 2015.

      Com o Rugby a Pinhalanse que tinha o sonho em viajar de avião, já visitou muitos países: Uruguai, Russia, Dubai, Estados Unidos, Japão, Inglaterra, Irlanda entre outros. Raquel diz ser apaixonada pelo Rugby, e está próxima de realizar um sonho, que é jogar a Olímpiada de 2016 no Rio de Janeiro e entrar para a história do esporte de Pinhalzinho, como a primeira Pinhalense a disputar uma Olímpiada. Mas as duas maiores emoções que ela sentiu, foi em 2014 quando recebeu o prêmio de melhor jogadora do ano, das mãos de Magic Paula uma das maiores jogadoras de basquete do Brasil, e a medalha de bronze conquistada nos jogos Pan-Americanos de Toronto em 2015, a primeira da história do Rugby feminino Brasileiro. 

 

Saudações Santista, e até a próxima matéria!