Pinhalzinho

31º

19º

Maravilha

29º

19º

São Miguel do Oeste

29º

19º

Chapecó

30º

18º

Persistência do pai leva atleta Pinhalense à equipe de vôlei do SESI-SP

A pinhalense Andressa Parise e a saudadense Cassia Rauber farão parte da equipe de Vôlei do SESI de São Paulo. As duas vão integrar a equipe sub 19 do SESI que vai disputar o campeonato paulista.  

Na última quarta-feira (27) Andressa esteve no programa Bate-Bola da Alternativa FM de Pinhalzinho, juntamente com o pai Clovis Parise falando sobre a trajetória da Andressa no vôlei, até chegar a equipe do SESI.

Andressa praticava dança, e aos 11 anos Clovis a matriculou na Fundação Municipal de Esportes na modalidade Voleibol. Ela começou a treinar com o professor André Bettio, logo em seguida passou a treinar com o professor Fabricio Fontana. Por Pinhalzinho Andressa jogou competições da Federação e da FESPORTE, até os 13 anos. Tudo mudou durante uma viagem, Clovis e família estavam viajando, parou o carro num posto de combustível em Ponte Serrada, no mesmo estante e local, parou um ônibus com a delegação de Vôlei de Saudades comandada pelo professor Marcio Rauber. Que vinha de uma competição, Clovis estava insatisfeito com os rumos do voleibol pinhalense, e naquele momento, definiu que assim que chegasse em casa, iria procurar o professor Marcio Rauber e encaminhar a filha para treinar em Saudades.                

E assim o fez! Diante da aceitação do professor saudadense, ele procurou o professor Fabricio e a FME de Pinhalzinho. Quando ouviu algo que até hoje o deixa chateado, teria que pagar um valor, para a Andressa mudar de equipe, tendo em vista, que a atleta era vinculada a Associação Pinhalense Esportiva de Voleibol (APEV) junto a Federação Catarinense. Clovis imediatamente procurou o prefeito (Fabiano da Luz) e o vice (Ladir Cassol) para que fosse resolvida a situação. Resolvido o imbróglio, Clovis a levou para o voleibol saudadense. Nas mãos do professor Marcio Rauber, Andressa passou a jogar de Central (o paredão mede 1.86mt) e progrediu ao ponto de chegar aonde chegou. Algo impensado pelo persistente Clovis Parise, que matriculou a filha no voleibol, por acreditar que o esporte pode tirar os jovens das drogas, licita e ilícitas. No inicio do mês de fevereiro (2016), Andressa junto com o pai, embarcam para São Paulo aonde, juntamente com Cassia Rauber vão se apresentar logo depois do Carnaval a equipe paulista do SESI na cidade de Santo André.

Marcio Rauber:

O professor Marcio Rauber relatou a jornalista Gisele Petry do jornal A Sua Voz, que os dirigentes da equipe paulista o procuraram interessados na ponteira passadora Cassia Rauber. Atleta com passagens pela seleção Brasileira de base. Marcio os informou que teria outra jogadora (ambas com 17 anos) menos conhecida, que eles poderiam gostar. “Conseguiu ajeitar para Andressa realizar um treino de avaliação, que deixou o técnico do SESI feliz e agradecido, fechando uma parceria com as duas meninas” disse Marcio.               

As duas meninas vão jogar por um ano na equipe paulista, podendo ter os contratos renovados.

Fabricio Fontana:

Procurei o professor Fabricio Fontana de Pinhalzinho para saber da questão abordada por Clovis Parise pai da Andressa, sobre a APEV cobrar valores para liberar a atleta. O professor Fabricio prontamente nos atendeu, nos falou que a questão não seria valores, seria sim, está cedendo atletas do vôlei pinhalense para outros município, e desmanchar uma equipe que ele vinha trabalhando a algum tempo e que estava perdendo a Andressa, a Maria Maia e logo depois perdeu a Amanda Gomes, todas para a equipe de Saudades.                         

Ele não as queria ceder, gostaria que as atletas jogassem por Pinhalzinho, e não por outros municípios.                                                                                     

O professor ressalta que o voleibol pinhalense vive uma crise, algo complicado para ser resolvido, tendo em vista, as equipes de Pinhalzinho participarem de poucas competições (falta investimento), e que as meninas (ou meninos), quando chegam a certa idade precisam trabalhar para ajudar a família, e acabam se afastando do esporte. Fabricio deseja sucesso a Andressa, e diz que quando ela chegou para treinar com ele, logo ele visualizou naquela menina desengonçada e muito grande para a idade (na época com 11 anos), uma jogadora que poderia devido ao tamanho, alcançar voos mais altos.                

O professor Fabricio parabenizou o pai (Clovis) pela persistência.