Pinhalzinho

26º

19º

Maravilha

25º

19º

São Miguel do Oeste

25º

19º

Chapecó

24º

19º

Osvaldo Kerchkoff “Um dos pioneiros do esporte Pinhalense”

Osvaldo Kerchkoff é natural de São Carlos, nasceu no 25 de dezembro de 1942. A família Kerchkoff chegou a Vila Pinhalzinho em 1952 quando a Capital da Amizade ainda era Distrito de São Carlos. Osvaldo logo se enturmou com a gurizada que aqui residiam, e quase que diariamente jogavam futebol no campinho que existia onde está localizada a loja Aquarela Móveis (naquela área que fica atrás da prefeitura).

Existiam muitos banhados em Pinhalzinho, uns dez, diz Seu Osvaldo. Por isso dos campos de futebol serem feitos em locais altos. Disse que as bexigas de porco eram concorridas, quando os guris ficavam sabendo que alguém iria carnear um porco, já pediam a bexiga para fazer uma bola. Seu Osvaldo também ajudou na construção do primeiro campo de Pinhalzinho, que ficava onde está a Praça Central do município. Diz que o campo ficava nas terras do Hugo Campos que era proprietário de uma madeireira que ficava onde está localizada a prefeitura. Atrás da madeireira ficava o campinho que a gurizada brincava com bola em cima do pó de serra. Hugo cortou as árvores, mas ficaram os tocos. Para destruir os tocos, eles usaram uma pua, furaram os tocos e os encheram de óleo queimado. Depois colocaram fogo, queimaram até as raízes, depois araram a terra com uma dupla de bois, o restante fizeram na mão, com enxadas, picaretas, facões, serrotes e machados. Seu Osvaldo citou a importância de Humberto Perin (genro de Hugo Campos), ele era um incentivador do esporte, era quem marcava os jogos, ele viajava com o caminhão da madeireira, e por onde passava nas cidades ou lugarejos mais próximos, marcava os jogos amistosos. E no dia do jogo iam todos em cima do caminhão de carregar toras, de jogadores a torcedores.

Ficou marcada na memória do Seu Osvaldo uma viagem que fizeram para jogar em Chapecó. Atravessaram o rio na balsa. O campo era cercado de tábuas e ficava no mesmo local onde está a Arena Condá (Estádio da Chapecoense) na época jogaram contra o Clube Atlético Chapecó que anos depois, em 1973 em uma fusão com o Independente deu origem a Associação Chapecoense. O time de Chapecó tinha algo diferente, que impressionou o jovem Osvaldo, algo que ele só tinha ouvido falar, “O tal do massagista”. Ele tem boas lembranças dos dias de jogos, quando o entorno do campo ficava lotado, o futebol era umas das poucas diversões do povo Pinhalense. Diz que a rivalidade entre Pinhalzinho e Saudades no futebol existe desde aquela época. Quando se confrontavam o Esporte Clube Esperança (primeiro time de futebol de campo de Pinhalzinho) e o XV de Novembro de Saudades os jogos eram muito disputados, ninguém queria perder. Seu Osvaldo era atacante, um dos destaques da equipe de Pinhalzinho, diz que no inicio dos anos 60 essa rivalidade, já existia em jogos amistosos, ficou maior quando o Deputado Estadual e fundador do município de Modelo, João Muxseldt, doou um troféu para que fosse disputado um regional entre os municípios de Modelo, Pinhalzinho e Saudades. O troféu que media 80 centímetros foi disputado em forma rotativa, quem vencesse as três edições da competição levaria o troféu em definitivo (O time de Pinhalzinho venceu as três edições).

O Seu Osvaldo nutre uma curiosidade, gostaria de saber, quem ficou com o troféu, ou por onde anda esse troféu que faz parte da história do município de Pinhalzinho? Sendo esse o primeiro troféu regional conquistado por uma equipe do município.

      Seu Osvaldo relatou que algo aconteceu que o deixou chateado, e o fez abandonar o futebol aos 26 anos de idade. Ele que ajudou a arrancar a plantação de milho, e destocar o terreno para fazer o primeiro campo, ajudou fazer a Sede, era fundador e sócio do Esporte Clube Esperança (terreno doado por Hugo Campos, atual Grêmio Recreativo Pinhalense). Com a mudança do Esperança para o Grêmio, foi questionado se era sócio do Grêmio. Tais questionamentos o fizeram parar de jogar futebol. Mas ninguém conseguiu apagar as boas lembranças que ficaram dos grandes jogos e dos belos gols marcados por Osvaldo Kerchkoff.

Nomes na foto: João Contini (Gibi), Elo Schwertz e Osvaldo Kerchkoff.