Pinhalzinho

24º

14º

Maravilha

21º

11º

São Miguel do Oeste

21º

11º

Chapecó

23º

12º

A história de Volnei Albani “Chapinha”

O Modelense Volnei Albani (Chapinha) aos 39 anos coleciona troféus e medalhas. O guri franzino e habilidoso chamava atenção quando desfilava as suas habilidades pelos campos do município de Modelo desde criança.  Em  1992 aos 16 anos, Chapinha e o irmão Edilson (Biço) se aventuram pelo mundo da bola, foram a Caxias do Sul, Rio Grande do Sul fazerem um teste no Esporte Clube Juventude, para a felicidade, os dois foram aprovados no teste para atuarem na categoria de base do clube. Chapinha viveu a expectativa da base em meio ao auge do clube gaúcho. Naquela época o Juventude tinha contrato de patrocínio com a empresa Parmalat. O clube foi escolhido pela multinacional italiana por ter uma grande torcida e a melhor infraestrutura do interior gaúcho, a parceria rendeu frutos para ambas as partes. Chapinha na base era o meia-esquerda destro do vice-campeão do estado, quando a equipe juvenil do Juventude foi derrotada pelo Grêmio no Estádio Olímpico. Se passarem três anos e a necessidade de alguma mudança precisava acontecer, foi então que os irmãos Chapinha e Biço desistiram do Juventude e voltaram a Modelo. O sonho de ser jogador profissional murchou no Juventude, mas desabrochou quando surgiu a oportunidade de irem para o Gama do Distrito Federal, onde foram aprovados ainda para a base. No Gama, Chapinha atuou por mais três anos, onde teve a oportunidade de jogar com Dimba, que em 2003 foi o artilheiro do Campeonato Brasileiro na Série A quando jogava no Goiás. Mas como ninguém vive do status do futebol, Chapinha precisava ganhar dinheiro e abandonou o Gama para jogar os campeonatos amadores e trabalhar em churrascaria. Os títulos mais importantes de Chapinha começariam a surgir a partir desse momento. Com a camisa 10 foi tricampeão Goianiense de futebol amador jogando pelo Ceilândia Esporte Clube (de Goiania) e teve vários títulos interfirmas jogando pelo time da churrascaria onde trabalhava.

      Em 1998, Chapinha volta para Modelo, para viver perto da família e como lazer jogar futebol. Desde então, atuou em praticamente todos os municípios da região e colecionando títulos. Em Modelo, é tricampeão de futebol de campo pela Associação Modelense, pentacampeão invicto de futebol suíço pelo Esporte Clube Tuiuti de Linha Salete, campeão de futsal pelo Internacional de Linha Cedro, campeão e goleiro menos vazado (isso mesmo, goleiro) de futebol suíço no Campeonato Associação, campeão por Modelo da Taça Integração de Futsal e campeão por Modelo do campeonato da Liga de Futsal de Campo Erê. Em Pinhalzinho foi campeão no Ser Ajap e campeão Aspirante pelo Canarinho. Em Maravilha foi bicampeão de futsal pelo Canarinho. Em Bom Jesus do Oeste foi campeão de futebol de campo pelo EC 21. Em Sul Brasil foi campeão pelo Arsenal no futebol de campo, no futsal e no suíço. Além dos títulos de campeão, perdeu as contas de quantos vice-campeonatos. Ainda jogou o Estadual de Amadores pelo AVESA de Serra Alta e pelo Esporte Clube Maravilha. E disputou campeonatos em Chapecó, Saudades, Iraceminha e Serra Alta.

      Chapinha é um veterano bom de bola (viciado), tanto que em 2014, disputou campeonatos em seis municípios em um único mês, chegando a disputar quatro jogos em um final de semana. Em destaque na foto os irmãos: Biço, Chapinha e Greisson, levantando o troféu de campeão Goianiense de futebol amador na equipe do Ceilândia.

 

Nomes na foto: Edilson Albani (Biço), Volnei Albani (Chapinha) e Greisson Albani

 

 

Colaboração: Diego Kirch