Pinhalzinho

25º

11º

Maravilha

27º

11º

São Miguel do Oeste

27º

11º

Chapecó

25º

12º

Produção de Feno

    A sazonalidade das chuvas faz com que a oferta de alimentos vindos da pastagem para bovinos, ovinos, caprinos varie bastante de acordo com a época do ano. Em decorrência desse fator, é primordial para o produtor rural a armazenagem de alimentos para os animais. Uma das formas de se estocar forragem é a utilização de técnicas de fenação. O feno nada mais é do que gramíneas ou leguminosas cortadas, secas e estocadas para posterior consumo dos animais.

    O processo de fenação envolve retirada de grande quantidade de água da planta (o feno tem cerca de apenas 15% de umidade), portanto para se obter a produção de um feno de qualidade há pelo menos duas condições necessárias: a forragem ser de boa qualidade (elevado valor nutritivo) e a secagem deve ser feita de forma que se perca o mínimo de nutrientes (geralmente quanto mais rápida for feita a secagem, melhor). Nas primeiras duas horas a perda de água é rápida e atinge 60% de umidade, depois a perda torna-se mais lenta.

    As forrageiras tropicais são muito interessantes para a confecção de feno, pois além de possuir um ótimo rendimento de matéria seca, apresentam uma boa qualidade nutricional. As espécies mais utilizadas são da família das gramíneas e as mesmas devem ser adaptada à região, devendo possibilitar cortes mecânicos, não ser suculenta, possuir boa produção de matéria seca por área, suportar cortes frequentes durante o ano e ter boa palatabilidade. As gramíneas mais utilizadas são Brachiaria, Aveia, Azevém, Tifton e Coast Cross.

   A fenação deve ser feita em dias ensolarados, não sujeitos a chuva. A ocorrência de chuvas aumenta o tempo de secagem, prejudica a qualidade do feno e pode causar perdas totais. Portanto, o produtor deve manter-se atento à previsão do tempo. Recomenda-se efetuar o corte pela manhã, logo após a evaporação do orvalho ou do excesso de umidade da planta, a uma altura de 5 a 10 cm do solo. Não é recomendado o uso de roçadeiras, pois ocorre desfragmentação excessiva do material causando perdas de até 40%, recomendando-se o uso de segadeiras.

   Após o corte inicia o processo de secagem. Para acelerar e uniformizar esse processo é preciso efetuar a viragem da forragem cortada uma ou duas vezes ao dia, expondo o material mais úmido. Para identificar o momento ideal para enfardar pegue uma pequena quantidade de capim e torça bem, se você notar que o capim mudou de coloração devido à saída de umidade e ao soltar uma das extremidades o capim voltar rapidamente para a posição inicial, precisa secar mais; se você torcer o material e não eliminar umidade e ao soltar uma das extremidades o capim voltar lentamente para a posição inicial está no ponto ideal, se você torcer o material e ele estalar ficando quebradiço, passou do ponto.

    Após seco é feito o enfardamento para posterior armazenamento. O feno deve ser armazenado em galpões arejados e protegidos da umidade, sendo os fardos dispostos em pilhas e se possível utilizando estrados de madeira para evitar o contato direto com a superfície do solo.

    A produção do feno pode constituir uma estratégia adicional para assegurar uma oferta estável de forragem para os animais. A meta deve ser a obtenção de feno de boa qualidade. Além disso, a produção de feno pode ser uma fonte de renda alternativa, embora a relação custo/benefício deva ser analisada, pois os investimentos iniciais em máquinas é relativamente alto.