Pinhalzinho

32º

22º

Maravilha

28º

22º

São Miguel do Oeste

28º

22º

Chapecó

29º

19º

Leite: Instrução Normativa 62

   O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) publicou no Diário Oficial da União em 30 de dezembro de 2011, a Instrução Normativa nº 62 (IN-62), alterando a Instrução Normativa nº 51/2002, e estabelece regras para os produtores seguirem como forma de garantir a qualidade do leite dentro e fora da porteira.

   A legislação começou a valer em 1º de janeiro de 2012 e previa novos parâmetros para Contagem Bacteriana Total (CBT) e Contagem de Células Somáticas (CCS). A CBT mensura o grau de higiene durante a ordenha e a CCS monitora a incidência de mastite nos rebanhos, considerada a principal doença infectocontagiosa do gado leiteiro. Os padrões estão em processo de implantação gradativa desde 2002. Até final de junho de 2014, os índices de CBT e CCS tinham como limite máximo 600 mil/ml. A IN-62 prevê que a partir do dia 1º de julho de 2014, produtores de leite das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste devem reduzir a CBT para 300 mil/ml e baixar para 500 mil por mililitro (CS/ml) a CCS.

   A IN-62 prevê, que a partir de Julho de 2016, o leite produzido já esteja atendendo os limites internacionais, com CBT abaixo de 100 mil/mL e CCS abaixo de 400 mil por mililitro (CS/ml). Desta forma, imagina-se que, por exemplo, o leite brasileiro tenha qualidade que atenda os padrões internacionais e eventualmente maior competitividade no mercado internacional.

   O produtor que cumpre as exigências costuma receber mais pelo litro do produto, de acordo com a indústria em que comercializa, até que se inviabilize a venda do leite fora dos padrões do MAPA. Nos estados do Norte e Nordeste, onde a produção é menor, os produtores têm um ano a mais para adaptação, até 2017.

   Vale ressaltar que a IN-62 estabelece os limites em função da média geométrica de todos os resultados do produtor no período de 3 meses. Não é possível simplesmente analisar um resultado individual para dizer se o produtor atende ou não a IN-62. Esta é uma análise equivocada, mas que muitos ainda acabam fazendo, por desconhecimento.

   Considerando a CBT a nível nacional, em relação ao limite atual de 600 mil/mL, temos cerca de 21% dos produtores não conformes. Se considerarmos o novo limite de julho de 2014, de 300 mil /mL, temos cerca de 32% dos produtores não conformes. Se caminharmos um pouco mais, até julho de 2016, com limite de 100 mil/mL, teríamos 54% dos produtores não conformes. Considerando as CCS em relação ao limite atual de 600 mil por mililitro (CS/ml), temos cerca de 24% dos produtores não conformes. Considerando o novo limite de julho de 2014, de 500 mil por mililitro (CS/ml), esta proporção já sobe para 34% dos produtores. Se olharmos também o novo limite de 2016, de 400 mil por mililitro (CS/ml), este número chega aos 45%. De forma geral podemos dizer que agora em julho de 2014, temos 1/3 dos produtores não conformes para CCS ou CBT.

   Essa normativa obriga os produtores a melhorarem as práticas de ordenha, higiene e controle da mastite. Mas os produtores têm capacidade de cumprir com essas exigências e como resultados todos saem ganhando, produtores e consumidores.