Pinhalzinho

26º

17º

Maravilha

24º

15º

São Miguel do Oeste

24º

15º

Chapecó

27º

17º

Gestão na Pecuária de Leite em Pequenas Propriedades

    Na busca por permanecer e crescer na atividade leiteira, os pequenos produtores lidam cotidianamente com questões ligadas à eficiência técnica, as quais envolvem a gestão dos recursos produtivos e as relações com o mercado.

Dados do Censo Agropecuário de 2006 mostram que a participação de pequenos produtores é marcante na pecuária de leite no Brasil. Os estabelecimentos com volume inferior a 50 litros por dia eram responsáveis por 70% da produção de leite vendida ou beneficiada.

Embora sejam a maioria no Brasil, os produtores de menos de 50 litros diários enfrentam um conjunto de imperfeições de mercado. Nesse contexto, a gestão aparece como um componente essencial para o enfrentamento das imperfeições de mercado, afinal, seu objetivo é fazer com que a propriedade gere os resultados almejados por meio dos recursos produtivos.

O ponto de partida da gestão é sempre um bom diagnóstico da situação atual. Portanto, é importante que os produtores conheçam sua propriedade, saibam quais são os recursos utilizados e seus custos, além de saber a produção que é gerada com aquela estrutura em vigor, bem como a que poderia ser obtida com o uso ótimo dos recursos. Para tanto, o registro das informações é imprescindível. É ele que permite acompanhar as atividades, em busca de identificar os pontos críticos.

De posse das informações organizadas, o produtor pode implementar análises simples como a identificação de pontos fortes, fracos, oportunidades e ameaças (FOFA). Essa matriz de fatores internos e externos à propriedade fornece direcionamentos de ações para a solução de problemas e o aproveitamento de oportunidades.

Tão importantes quanto o diagnóstico da situação atual são a definição dos objetivos da atividade leiteira na propriedade e a escolha das variáveis e dos parâmetros que indiquem como o produtor está evoluindo em relação aos objetivos que traçou. O delineamento do diagnóstico e a definição dos objetivos são a base da primeira etapa do ciclo de gestão: o planejamento.

Na sequência do planejamento, o ciclo envolve a ação (colocar o plano em prática), a checagem (acompanhamento e avaliação do realizado em relação ao planejado) e as ações de correção de falhas e de redirecionamento do plano. Não se pode dizer que alguma dessas etapas seja o fim do ciclo, pois o mesmo ocorre de forma interativa.

    Seguramente, há algumas variáveis institucionais que podem contribuir para que os pequenos produtores consigam crescer na atividade nesse contexto de imperfeições de mercados. A assistência técnica é a principal delas. A orientação profissional pode ser muito útil nas variadas e complexas decisões que o produtor de leite precisa tomar no seu dia a dia. Nesse caso, é importante que as ações sigam as orientações técnicas, de forma a ser um meio de impulsionar o alcance dos resultados definidos no planejamento.