Pinhalzinho

23º

15º

Maravilha

21º

16º

São Miguel do Oeste

21º

16º

Chapecó

22º

16º

Agricultor investe no cultivo de peixes após doença

17/10/2017

___________________________________________________________________________________________

Há seis anos, Jandir trabalha com atividades alternativas em função de uma doença.

Uma propriedade na Linha Esperança, interior de Serra Alta, guarda uma história de superação. Aliás, o nome do local tem tudo a ver com a vida do seu Jandir Dall’agnol. Hoje com 52 anos, ele enfrentou uma cirurgia na coluna e um câncer de próstata há seis anos. Antes disso, sempre trabalhou no campo e foi difícil se adaptar à nova rotina. “Em 2003 nos mudamos de Saltinho para cá e tínhamos gado de leite e roça. Então começaram as dificuldades. Em 2009 operei minha coluna e em 2011 tive câncer”, conta o agricultor.

A família teve que se adaptar a nova realidade, já que Jandir não podia mais se esforçar com o trabalho. A esposa Liandra e as filhas Camila e Mireli foram trabalhar na cidade e ele ficou para cuidar do sítio. Mas logo achou uma alternativa para não ficar parado: a piscicultura. Em quatro açudes distribuídos na propriedade, seu Jandir pesca cerca de mil quilos de peixe por ano. A venda é para os amigos e conhecidos, basicamente. “Eles mesmo pescam e levam os peixes. É um passatempo”, enfatiza o piscicultor.

Ele faz questão de ressaltar que a alimentação dos animais é de forma orgânica. “Conheci essa forma em uma propriedade que visitamos durante um curso da Epagri e achei interessante. Mas só é possível manter esse tipo de alimentação em açudes onde há uma boa rotação de água, caso contrário poderá ter alta mortalidade dos peixes”. A alimentação se baseia em capim e adubos de suíno e gado, acumulados em chiqueiros e estábulos próximos aos açudes.

Além disso, coelhos, pássaros, abelhas e frutas também fazem parte da rotina de seu Jandir. “Não posso ficar no sol e nem fazer esforço, então cuidar dessas coisas é uma terapia para mim, já que fico só durante o dia, pois as meninas só voltam no fim do dia do trabalho”, comenta ele.

Apesar da dificuldade em mudar a rotina, ele diz se conformar, pois está curado. “Eu sempre tive vontade de viver e agora estou curado. Então estou feliz em permanecer neste local”, finaliza.