Pinhalzinho

16º

Maravilha

16º

São Miguel do Oeste

16º

Chapecó

16º

Secretário participa do Workshop do Leite em Chapecó

JORNAL A SUA VOZ

24/04/2018

___________________________________________________________________________________________

 

“Baixar custos para tornar-se competitivo, é um dos grandes desafios do Brasil com relação à produção leiteira”. Esta afirmação é do Secretário de Agricultura de Pinhalzinho, Honorino Dalapossa, que esteve presente na última semana, em Chapecó/SC, no Workshop Fundamentos de Produção e Qualidade do Leite da Nova Zelândia Brasil.

 

Assuntos como qualidade do leite, melhoramento genético, manejo de pastagens e bem-estar animal, foram debatidos por representantes da Embaixada da Nova Zelândia no Brasil e pela New Zealand Trade & Enterprise (Nzte), a agência para o desenvolvimento de comércio internacional e autoridades brasileiras e uruguaias.

 

A Nova Zelândia é líder mundial em exportação de laticínios e demonstra interesse em criar parcerias com o agronegócio brasileiro, porém para isso será necessário um aprimoramento na produção brasileira que é iniciante se comparada à Nova Zelândia, apesar de ter grandes vantagens, como o fator climático que favorecem a produção das pastagens.

“A avaliação do encontro é altamente positiva por nos propor desafios e caminhos que ainda precisam ser compreendidos e trilhados, com relação a nossa maneira de produzir leite no Brasil”, diz Honorino.

 

Conforme ele os palestrantes do Workshop foram unânimes em reafirmar as vantagens brasileiras que atuam a favor do aumento de alimentos para gado leiteiro, como volumes de chuva, luminosidade solar e matéria orgânica para adubação abundante. “Apesar das nossas vantagens, nosso modelo de produção é deficitário. Exemplo disso é o custo elevado do frete. Nova Zelândia recolhe 250 litros de leite por quilometro rodado; Argentina recolhe 120 e o Brasil 47. Esses fatores tornam difícil a competição”, diz.

 

Nossa produção leiteira cresce e o consumo precisa aumentar através da exportação, para garantir o futuro do setor. O modelo produtivo, de acordo com o Secretário, remete à reflexões a respeito de como os produtores brasileiros podem adaptar-se a novos modelos de produção mais eficazes de leite.