Pinhalzinho

24º

17º

Maravilha

22º

14º

São Miguel do Oeste

22º

14º

Chapecó

23º

15º

Bem-estar animal é o segredo para maior produtividade

JORNAL A SUA VOZ

26/07/2018

___________________________________________________________________________________________

Foto 01: Família Franz obteve melhores resultados na produção leiteira, após a adequação nos cascos das vacas.

A propriedade do seu Antônio, dona Jucélia e a filha Bruna Franz, de linha Santa Lúcia, interior de Pinhalzinho, vem há anos destacando-se em produtividade de leite, chegando a atingir a média de 25 mil litros ao ano, por hectare de terra, um número exuberante na região.

 

Para eles o capricho com a propriedade e o manejo correto dos animais é que garante os resultados. Em uma área de 8,7 hectares, com média de 30 vacas, das quais 23 em lactação atualmente, a propriedade atinge 18 mil litros de leite por mês, cuja alimentação dos animais é produzida integralmente, exceto as rações, utilizando a mão de obra familiar.

 

Entre os diversos cuidados com a sanidade e bem-estar animal surgiu uma nova demanda: manutenção dos cascos do gado. Para Bruna, a remoção das unhas compridas e irregulares melhora a pisada das vacas, deixando-as mais ativas e dispostas e por consequência produzindo mais leite. “Ao longo do tempo começamos observar que muitos vacas tinham dificuldade para caminhar e assim que chegavam na pastagem acabavam deitando ao invés de se alimentar. Com orientação técnica decidimos investir na manutenção dos cascos e o resultado foi surpreendente. Se o ser humano sofre com uma unha machucada, imagina um animal que chega a pesar 700 quilos, apoiando o corpo em três patas”, friza Bruna.

 

Conforme ela, a dor e o mal-estar faz com que as vacas tenham todo o ciclo de vida comprometido, inclusive na fertilidade. “Em busca de conhecimento e conversando com os técnicos que nos dão assistência, decidimos investir no casqueamento preventivo, ajustando a pisada dos animais. Percebemos então que as vacas estão muito mais dispostas a buscarem por pasto e água, e com isso a produção leiteira aumentou”, explica.

 

Bruna relata que há um ano, todos os animais são submetidos ao casqueamento preventivo com os profissionais da Top Cascos, especialistas em Podologia Bovina. Antes disso chegaram a perder vacas, que por contraíram infecções irreversíveis através de ferimentos nos cascos. “É um investimento que todos os agricultores deveriam fazer”, ressalta seu Antônio.

 

A podologia Bovina soa como novidade para a maioria das pessoas, mas aos poucos vem sendo expandida em nossa região. De acordo com Anderson Jonner e Jorge Luis Gatto, especialistas no assunto, a maior dificuldade ainda é fazer com os produtores compreendam que a adequação dos cascos está diretamente ligada com o bem-estar animal, imunidade e sanidade do rebanho. “O casqueamento preventivo é essencial para evitar perda nos rebanhos, já que a maioria dos produtores acabam acionando o serviço, somente quando o animal já está com o membro comprometido, muitas vezes não tendo mais solução devido ao nível de infecção”, explica Jonner.

 

A falta de balanceamento nutricional no gado leiteiro é uma das principais causas de doenças podais. “A ração oferecida aos animais muitas vezes está voltada especialmente à produção leiteira, com carência de nutrientes que fortaleçam o casco. Além disso o manejo das vacas leiteiras favorece estes problemas, pois a umidade nos barracões e salas de ordenham facilitam a contaminação com bactérias e fungos, caso o casco esteja irregular com ferimentos nas patas do animal. As doenças decorrentes do crescimento exagerado das unhas, e suas consequências, afetam cerca de 20% dos rebanhos”, relata Jorge.

 

Os profissionais da podologia bovina, ressaltam que o alinhamento dos cascos aumenta significativamente os resultados nas propriedades, pois animais dispostos a caminhar, alimentam-se melhor, mantem-se ativos e hormonalmente saudáveis, convertendo em maior produtividade e menos doenças.

Atuando juntos há cerca de um ano, em Pinhalzinho e região, Jorge e Jonner, contam que já chegaram a atender caos em que o animal estava com os cascos tão danificados que havia contraído uma infecção incurável, levando-o a ser sacrificado. “Em 99% dos casos, a gente consegue reverter a situação, devido ao procedimento que inclui correção do casco, aplicação de medicamentos e colocação temporária de tacos, até a cura da ferida, porém o ideal é que se faço a correção preventiva, antes que ocorra a doença”, relata Jonner.

O casqueamento é feito pelos profissionais, utilizando um ‘tronco’ de contenção e ferramentas especiais, que garantem a segurança tanto do animal quanto do técnico, além da eficiência no procedimento.